Método BLW

Em conversa com a Nutricionista Nadeje Brant a mesma vai falar um pouco sobre o método BLW, que muitas mães acabam tendo curiosidade e ficam na dúvida quando devem introduzir.

O método BLW são as iniciais da expressão Baby-led Weaning (em tradução  Desmame Guiado pelo Bebê) e tem ganhado cada vez mais adeptos pelo mundo. A idéia principal é introduzir os alimentos sólidos ao invés das papinhas tradicionais. A proposta é por volta dos seis meses de vida, que é quando o bebê começa a fazer as refeições junto com a família, sentado em seu cadeirão. A comida é oferecida picada, em formas e tamanhos que eles sejam capazes de segurá-la com as mãos e levá-la à boca. Assim, a criança vai comer o que quiser e na velocidade que quiser, sem pressão por parte dos pais – o que a incentiva a ter maior confiança. Cenouras cozidas e cortadas em forma de palitos ou ramos de brócolis também cozidos são algumas das opções. No início, é esperado que seu filho mais brinque com os alimentos do que coma.

As vantagens de introduzir os sólidos com a técnica dos alimentos picados ao invés das tradicionais papinhas estão o incentivo à mastigação – importante no desenvolvimento motor da criança – e a possibilidade da criança descobrir cada sabor e discriminar frutas e legumes. Com o alimento picado, a criança sente o gosto, a consistência e outros detalhes que não seriam possíveis em uma papinha. Além disso, sem ser batido ou triturado no liquidificador, o alimento mantém propriedades importantes, como as fibras que podem auxiliar no bom funcionamento intestinal. Outro benefício é que o fato de o bebê comer de forma devagar, aprendendo aos poucos a mastigar sua comida, também combate a obesidade infantil. De acordo com um estudo conduzido por uma equipe da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, bebês que tiveram a introdução dos sólidos baseada na técnica BLW são mais propensos a comer de forma saudável e a ter um bom IMC (índice de massa corporal) na vida adulta.

O primeiro passo é entender que nem toda criança vai estar preparada para isso. Os especialistas acreditam que os bebês que são amamentados, por já treinarem a musculação da boca ao sugar o peito da mãe, aceitam melhor a comida picadinha. No entanto, quando a introdução dos sólidos ocorre antes do sexto mês de vida ou antes que a criança consiga se sentar, ela pode ser rejeitada. Outro ponto importante é que com esta técnica, as crianças se alimentam sozinhas e, desta forma, podem não consumir a qualidade e a quantidade necessárias para seu crescimento e desenvolvimento. É preciso ter bastante organização na criação do cardápio.

Neste sentido, a papinha oferece maior confiança às mães, pois elas sentem que a criança consome todos os grupos alimentares e nutrientes essenciais para uma refeição. A falta desse processo pode gerar insegurança. Por isso é importante ter o acompanhamento de um pediatra ou nutricionista e respeitar se a família tem o perfil para prosseguir com essa técnica.

Como a BLW propõe que o bebê faça suas próprias escolhas e desenvolva sua autonomia, os defensores desta técnica não indicam uma alimentação guiada pelos pais, com colheres e alimentos batidos. Mas nada impede que as duas formas de introdução aos sólidos sejam testadas pelos pais, a fim de identificar com qual delas cada criança se adapta melhor. Assim a papinha garantiria o consumo de todos os nutrientes importantes para o desenvolvimento infantil e a criança também teria as experiências sensoriais com os alimentos.

Mas, a maior dúvida sobre este método é o risco de engasgos. Segundo especialistas, é importante que os pais não tentem ajudar a criança a comer, se ela não consegue fazer isso sozinha, provavelmente, não está pronta para lidar com aquele determinado item de forma segura.

A transição do aleitamento exclusivo para a introdução alimentar guiada pelo próprio bebê é um caminho natural. Converse com um profissional sobre este assunto.

No nosso site temos alguns pratos que ajudam a criança na boa visualização dos alimentos que são os pratos com divisória e o jogo americano com prato.

Nadeje Brant

Nutricionista clínica e pediátrica

Graduada Nutrição – Centro Universitário Newton Paiva

Pós-graduação Nutrição Clínica  – Universidade Gama Filho

Atualização Terapia Nutricional em Pediatria – GANEP

Pós-graduação Nutrição Materno-Infantil – Estácio de Sá (em curso)

Contatos: nadejebrant@yahoo.com.br ou (31) 9.8812-4350